sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Redes

Estou aqui fazendo várias coisas novas no trabalho, e por isso nem tenho muita vontade de escrever no blog. Estou até bancando a roteirista e isso está me deixando muito feliz. O mais divertido é que você começa a criar uma história e vai se lembrando de coisas por que passou, de desenhos que assistiu, traz de volta as lembranças mais prosaicas e acaba enfiando um monte de coisas nos tais dos roteiros.
Ontem foi assim, e eu estava agradecendo pelas minhas sinapses, pensando no quanto é bom ter os neurônios funcionando bem, acho que dava até pra ouvir a passagem da corrente elétrica, bzzz, bzzz, deve ser assim.
Voltei pra casa tardíssimo, dia longo de trabalho, e no banho comecei a pensar na viagem que vamos fazer de reveillon, para Belém do Pará. Em meio aos preparativos, surge um amigo de uma amiga, solícito, que está dando dicas preciosas. São assim as amizades, sinapses da vida real, condução de energia. Quando você menos espera, reencontra alguém, surge outro ser do céu para te ajudar.
É mesmo uma rede de impulsos elétricos e quando se mantém as conexões, tudo funciona.

3 comentários:

Anônimo disse...

Ah vc vai pra Belém, que máximo, sempre quis conhecer. Outro dia passou um programa no GNT (Vai Pra Onde?) que dava dicas de uma ilha que não era Marajó mas que me pareceu muito legal, a 1h30 de Belém...vale a pena pesquisar, acho que no site do GNT deve ter mais info.

Anônimo disse...

Ah vc vai pra Belém, que máximo, sempre quis conhecer. Outro dia passou um programa no GNT (Vai Pra Onde?) que dava dicas de uma ilha que não era Marajó mas que me pareceu muito legal, a 1h30 de Belém...vale a pena pesquisar, acho que no site do GNT deve ter mais info.

Tati disse...

Lizandra, fui eu que escrevi esse comentário, mas só hj vi que ficou como anônimo. Beijo, Tati